Escolha uma Página

Uma mulher ao longo da sua vida menstrua por volta de 400 a 450 vezes. São mais de 35 anos vivenciando ciclos que se repetem todos os meses. Com nossas avós, bisavós, tataravós e tantas mulheres antes de nós foi um pouco diferente. Minha avó teve 6 filhos e conheço histórias de mulheres que tiveram 10, 12, 14 filhos. Você deve conhecer alguma também. Praticamente emendando uma gravidez na outra, a mulher vivenciava uma quantidade menor de ciclos menstruais. Afinal, eram 9 meses gestando e depois mais alguns meses amamentando, até que o corpo voltasse a ser fértil e ela engravidasse novamente.

Para continuarmos essa conversa é bom definirmos:

Ciclo é o espaço de tempo durante o qual ocorre e se completa, com regularidade, um fenômeno ou um fato, ou uma sequência deles.

Também pode ser definido como uma série de fenômenos, fatos ou ações de caráter periódico que partem de um ponto inicial e terminam com a recorrência deste. No caso do ciclo menstrual, começa no primeiro dia da menstruação e termina no último dia antes da próxima menstruação. O produto físico que vemos desse ciclo é o sangue, a própria menstruação, mas dentro de nós acontecem uma quantidade muito significativa de modificações químicas, bioquímicas, físicas, mentais e comportamentais. É ou não é?

Minha avó, bisavó e muitas antepassadas tiveram seus corpos menos expostos aos efeitos dos hormônios que regulam o ciclo menstrual. Me parece então que, com a mudança de comportamento social e a mulher com mais controle sobre suas decisões e escolhas, o corpo feminino tem precisado se adaptar à exposição maior aos hormônios. Hoje escolhemos quando engravidar, temos projetos além do familiar. Dividimos atenção para cuidados pessoais, trabalho, amigos, viagens, estudos, autoconhecimento, mensagens intermináveis no whatsapp.

Um ciclo não diz mais respeito somente à procriação.

Não é só o que vem de dentro que afeta essa ciclicidade. O estilo de vida influencia, e muito, a regulação desses ciclos. É exatamente porque muitas de nós tem levado um modo de vida desgastante que eu, de verdade, não acredito que nossos incômodos com o ciclo menstrual sejam culpa só dos hormônios.

O que fazemos com o nosso corpo influencia no nosso sistema interno.

Não é nada fisiológico viver uma rotina maluca, desgastante, estressante, sentindo o peso da responsabilidade, comendo mal, estando cada vez mais afastada da natureza e mais próxima do celular, sobrevivendo às influências culturais, filhos, casa, trabalho. O meu corpo, o seu corpo, mulher, está fazendo o que pode. Se adaptando do jeito que dá e, muitas vezes, adoecendo silenciosamente. Nossas escolhas externas afetam a bioquímica interna. É sabido.

Não é sobre ser vítima da cultura, do capitalismo ou até do machismo. É sobre autocuidado. Ao invés de sermos passivas com relação à nossa saúde, deixando por conta apenas de diagnósticos médicos e resultados de exames, é sermos ativas, conhecendo, ouvindo e atendendo às necessidades do nosso corpo para termos – olha que simples – saúde!

É hora de nos tornarmos responsáveis pelo próprio cuidado. Escolher o cuidado de si como prática de vida, como descreveu Foucault.

“Nós causamos o nosso próprio sofrimento por ignorância”.

Cris Ferrari

Investigando e percebendo corpo, ciclo, mente e comportamento. Mestre em fisioterapia, conduz grupos de práticas corporais com diálogos sobre a percepção de corpo e ciclo menstrual. Acupunturista, Personal and professional coach, praticante de meditação budista, mãe do Lucas e doida pelo pôr do sol.